Segundo o Ministério da Saúde, a vacina contra o HPV será distribuída pelo SUS, para meninas com idade de 10 a 11 anos, no início das aulas no ano que vem. Essa vacina vai estar disponível de forma permanente em aproximadamente 5 mil unidades de saúde. Além disso, também serão realizadas campanhas de vacinação em escolas públicas e particulares.

Só em 2012, foram registrados 17,5 mil novos casos de HPV no Brasil, essa doença é uma das principais causas do câncer do colo do útero.

No país, 3.3 milhões de pessoas são consideradas como público-alvo e a meta é atingir 80% desse número. Em um primeiro momento, serão distribuídas 12 milhões de doses de vacinas para meninas. A previsão é que sejam gastos cerca de R$ 30 por unidade, totalizando R$ 452,5 milhões.

A vacina, produzida pela Merck e pelo Instituto Butantã, será administrada em três doses.

Essa vacina protege contra quatro subtipos de HPV: 18, 16, 11 e 6, sendo que o 16 e o 18 são os que apresentam maiores riscos de câncer.

Por Jéssica Posenato


Engana-se quem acredita que o HPV (Papilomavirus Humano) é uma doença que atinge apenas as mulheres. Uma pesquisa recente mostrou que o HPV possui incidência de 50% nos homens saudáveis. No caso das mulheres, seus índices estão de 15% a 20%. Por isso, a classe médica analisa a possibilidade de indicar a vacina contra o HPV também para os homens.

Atualmente a vacina contra o HPV é indicada para mulheres com bom estado de saúde com idades entre nove e 26 anos. O Papilomavirus Humano costuma viver nas células que revestem a área genital, região anal, garganta e cavidade oral. Existem mais de 100 subtipos de HPV, sendo que cerca de 40 deles são sexualmente transmissíveis e são agentes que propiciam o surgimento do câncer no colo do útero.

Essa doença costuma aparecer de uma forma discreta e é enfrentada pelo próprio sistema imunológico. Um dos principais sintomas é o surgimento de lesões como verrugas. Para diagnosticar a doença é feito um exame clínico. No caso dos homens, é feito um procedimento chamado de peniscopia, em que é aplicado um reagente para identificar se o vírus está presente.

Não existem medicamentos para a cura do HPV, mas sim a cauterização das lesões formadas. Uma das principais recomendações dos médicos para evitar o contágio do HPV é o uso da camisinha durante as relações sexuais e diminuir o número de parceiros.

Por Selma Isis

Fonte: Dr. Rogério Vitiver, médico urologista


Uma pesquisa realizada pela revista científica The Lancet demonstrou que 50% dos homens envolvidos no estudo, residentes do Brasil, México e Estados Unidos apresentam o vírus do HPV (Papilomavírus Humano). Participaram do levantamento, 1.159 homens na faixa etária dos 18 aos 70 anos, soro negativo e sem histórico de câncer.   

A doença é transmitida através do contato sexual, e nas mulheres pode provocar câncer de útero, sendo a causa de 80% dos casos de câncer desse gênero nelas. Já no sexo masculino, a probabilidade de desenvolver um câncer é mais remota, mas não impossível, já que existem dados registrados de câncer anal e de pênis relacionados ao HPV.

Atualmente, não há vacina contra o papiloma vírus para os homens, mas existe para as mulheres (com idade entre 9 e 26 anos), porém encontra-se disponível apenas em clínicas particulares e custa em média mais de R$ 1.000.

A prevenção é a melhor arma contra a doença, através do uso de preservativo nas relações sexuais.

Por Andrea Gomes

Fonte: Agência Brasil





CONTINUE NAVEGANDO: