Caminhar é uma das práticas mais recomendadas por profissionais da Saúde. Em qualquer idade, destinar alguns minutos do dia para andar pela cidade, em calçadas ou parques, por exemplo, pode contribuir para uma melhor circulação do sangue pelo corpo, além de ser uma atividade benéfica para vários órgãos.

Para caminhar é necessário tênis ou sapatos ideais. Pisar de forma incorreta pode levar a pessoa a sentir dores na região lombar, nas pernas, na coluna vertebral e até nos joelhos. Segundo Agnaldo de Oliveira Júnior, ortopedista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, crianças de até dois anos apresentam problemas como o pé plano flácido, oriundo da flacidez nos ligamentos. Em sua visão, nove em dez casos são resolvidos com o natural crescimento do indivíduo.

Considerado o principal meio de sustentação de homens e mulheres, adultos e crianças, os pés podem apresentar formações inadequadas, alterando a maneira da pessoa pisar no chão. Outras recorrências como artrite reumatóide, diabetes e fraturas, por exemplo, também podem acarretar deformação nos pés.

Uma maneira de resolver problemas relacionados é por meio do uso de sapatos e palmilhas ortopédicos, pois são desenvolvidos especialmente para quem passa por situações de menor gravidade. Em contrapartida, intervenções cirúrgicas são realizadas em casos de maior necessidade.

Para averiguar se há algum entrave no ato de pisar, existem avaliações específicas como a funcional e a postural, bem como o teste da pisada, também conhecido por baropodometria.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Assessoria de Imprensa


No verão, não tem jeito. Transpiramos mais com o calor e temos mais contato com a água, que deixa a pele úmida por mais tempo. Passamos a sentir uma “coceirinha” na pele e ficamos na dúvida se é realmente algo sério. Leia a seguir algumas dicas para identificar a micose e dermatite alérgica na pele:

  • As micoses são provocadas por fungos que se aproveitam da umidade da pele. Inicialmente aparecem lesões vermelhas, e com o tempo, se não forem tratadas, podem afetar todo o pé, além de destruir as unhas. Procure ajuda de um especialista se esse for o seu caso.
  • No caso das dermatites alérgicas, elas ocorrem devido a uma reação alérgica da pele em contato com algum material, que pode ser com o couro ou borracha dos calçados. Elas causam coceira e descamação na região afetada, que se confundem com micoses. Se perceber essa reação alérgica, deixe de usar os calçados que provocam e procure um dermatologista.

Por Selma Isis

Fonte: Fabio Ravaglia- médico cirurgião ortopédico


Mesmo com a tarefa de suportar o nosso peso durante todo o dia, os pés são regiões do corpo muito sensíveis a agentes externos. Em especial durante o verão, em que as temperaturas estão muito altas, somadas com o contato com banheiros públicos, praia, piscina e o uso de calçados que deixam os pés à mostra, podem ocasionar o surgimento de frieiras.

A frieira é um tipo comum de micose. É uma inflamação na pele de cor avermelhada, que costuma vir acompanhada de rachaduras e bolhas entre os dedos, que provocam dor e coceira. Ela costuma se proliferar muito rápido em ambientes úmidos. Se a pessoa não interromper logo a ação dos fungos na região, ela ficará com mau cheiro.

Para evitar a frieira, procure secar bem os pés após o banho e aplique talco específico contra fungos. Mas se ela aparecer, procure um dermatologista, ainda mais se ocorrer formação de pus, inchaço e febre local. Ele é o profissional mais adequado para identificar e tratar o problema.

Por Selma Isis

Fonte: Fabio Ravaglia- médico cirurgião ortopédico


Estamos na época de volta às aulas, e os estudantes retomam as suas atividades, inclusive sua rotina de exercícios físicos. Muitos praticam esportes na própria escola ou em academias, o que se torna um terreno fértil para o surgimento de pé de atleta.

O pé de atleta é o nome popular das dermatofitoses (infecções na pele causadas por fungos). Na maioria dos casos atingem o dorso ou a planta dos pés. Esse tipo de fungo aparece com frequência em piscinas, ginásios e banheiros públicos e costuma se alimentar de queratina, que é produzida pelo corpo humano.

Esse tipo de infecção na pele é contagiosa e costuma se manifestar através de coceiras, ardor na pele, mau cheiro (o popular chulé), a pele fica mais espessa e as unhas amarelas e opacas. Consulte sempre um especialista para que ele indique o tratamento correto.

Para se prevenir do pé de atleta, procure manter os pés sempre secos e, se possível, evitar os lugares de risco citados acima. Mas se não tiver outro jeito, ao andar nesses locais, use sempre chinelos, principalmente se estiverem com o piso molhado.

Por Selma Isis

Fonte: Fabio Ravaglia- médico cirurgião ortopédico


Normalmente os calos atingem as pessoas que precisam caminhar longas distâncias e costumam incomodar muito. Os calos nos pés são regiões duras, grossas e rígidas de pele, que surgiram em resposta a constantes pressões e atritos nos pés.

Os calos são divididos em três diferentes formas clínicas denominadas por ortopedistas: tilomas, helomas e hiperqueratoses. Na maioria dos casos os calos podem ser retirados e a pele retoma o seu aspecto normal. Esse tratamento costuma ser feito por podologistas através de cremes e protetores digitais de silicone ou palmilhas. Se esse for o seu caso, procure ajuda profissional.

Mas o tratamento não irá adiantar se a causa dos calos persistir: nunca use sapatos que pressionam ou friccionem as regiões com calos. Também verifique se ocorrem alterações da estrutura óssea dos pés. Se tiver alguma dúvida, marque uma consulta com um ortopedista.

Por Selma Isis

Fonte: Fabio Ravaglia- médico cirurgião ortopédico


A elevação que ocorre em um dos ossos do primeiro dedo do pé tem o nome popular de joanete e costuma ser um incômodo para muitas pessoas, em especial mulheres, pois costumam acabar com qualquer visual.

Essas saliências são deformações próximas ao dedão dos pés, que provocam pressão sobre a articulação dos outros dedos, que ficam também curvos e salientes com o tempo. Se os desvios estiverem muito acentuados, a dor na região costuma ser intensa.

O que costuma provocar o surgimento do joanete é a própria formação óssea do pé, e também se os pés forem chatos ou cavos. O uso de sapatos de bico fino também colabora com o surgimento, como também a artrite reumatóide ou gotosa.

O tratamento do joanete, dependendo do seu grau de deformidade, pode ser conservador ou cirúrgico, de acordo com a avaliação do médico ortopedista.

Por Selma Isis

Fonte: Dr.Fabio Ravaglia- médico ortopedista


O verão é a época do ano em que os pés estão mais expostos, ficando mais vulneráveis, devido ao uso de sandálias e chinelos. No caso dos diabéticos, os cuidados devem ser redobrados, pelo fato dessa parte do corpo ter menor circulação sanguínea, o que favorece o surgimento de úlceras.

Se o paciente não cuidar da região do pé com essas feridas, elas podem se agravar, atingindo os ossos e provocando a gangrena, que ocasiona na morte dos tecidos, sendo necessária a amputação.

O que os diabéticos não sabem é que até mesmo um calo ou uma ferida podem ser os responsáveis por essas amputações, por isso todo cuidado é pouco. Veja algumas dicas:

  • Existem sapatos específicos para diabéticos, que são macios e ajustáveis e que evitam machucados;
  • Escolha um calçado que proteja bem os pés;
  • Antes de calçar o sapato, verifique se existem pedrinhas ou outros objetos que possam incomodar os pés ao caminhar;
  • As mulheres com diabetes que gostam de salto alto não precisam se privar desse tipo de calçado, mas é preciso optar por saltos com no máximo três centímetros de altura, com formato quadrado, e a frente do calçado deve ser mais larga.
  • Sapatos de bico fino tanto para homens e mulheres com diabetes são proibidos;
  • Ortopedistas não recomendam chinelos de dedo porque os pés ficam muito desprotegidos.
  • Durante o inverno, as meias recomendadas são as com sola de couro ou silicone;
  • Procure examinar os pés diariamente para verificar se apareceram bolhas, frieiras, rachaduras e outros;
  • A higiene nos pés é de grande importância, mas não tome banho com água muito quente.

Por Selma Isis

Fonte: Fabio Ravaglia- médico cirurgião ortopédico





CONTINUE NAVEGANDO: