O coletor menstrual é uma opção mais confortável, econômica e ecológica.

O coletor menstrual é uma ótima opção para substituir o absorvente durante o período menstrual, sendo uma opção mais confortável, econômica e até mesmo ecológica!

Fácil de usar, o coletor menstrual não deixa nenhum odor e pode ser trocado após 8h de uso sem nenhum problema.

Para colocar seu coletor menstrual deve-se introduzi-lo em forma de C na parte inferior da entrada da vagina, e rodá-lo para se certificar que está bem posicionado.

Veja mais detalhes em tópicos a seguir, de como colocar seu coletor menstrual de forma correta.

Como colocar o coletor menstrual:

· Sente-se no vaso com as pernas abertas;

· Dobre o coletor como demonstrado na embalagem do produto

· Introduza o coletor dobrado na entrada da vagina, a ponta do coletor deve ficar do lado de fora;

· Rode o coletor para se certificar de que ele está encaixado no canal vaginal.

Como retirar seu coletor menstrual:

A cada 8 ou 12 horas, deve -se retirar o coletor menstrual da seguinte forma:

· Sentar-se no vaso sanitário, de preferência fazer xixi, secar a vulva e abrir bem as pernas;

· Inserir o dedo indicador na entrada da vagina, entre o coletor e a parede vaginal, para facilitar sua retirada;

· Puxe a haste do coleto até que ele saia;

– Despeje o sangue de dentro do coletor no vaso, e lave seu coletor com água abundante e sabonete íntimo com pH neutro, secando com papel higiênico.

Como limpar o Coletor menstrual:

Antes de utilizar seu coletor menstrual no início e no final de seu ciclo deve-se esterilizar o produto, para que se garanta uma limpeza mais profunda.

Confira a seguir como fazer a esterilização de seu coletor menstrual:

· Separe uma panela de vidro, inox ou ágata esmaltada, nela deve-se colocar seu coletor menstrual e adicionar água até que se cubra totalmente o objeto.

· Ferva o coletor por 5 minutos e retire do fogo;

· Ao final desse processo de fervura deve-se retirar seu coletor menstrual da panela e o lavar com água e sabonete íntimo.

Como retirar manchas do coletor menstrual:

Com o tempo decorrente de uso é comum surgirem manchas ao redor do coletor menstrual, para prevenir que isso aconteça utilize uma colher de chá de bicarbonato de sódio diluído em água fervente, e colocar seu coletor durante 6 a 8 horas.

Coletores Menstruais: custo benefício e mais higiene

Os coletores menstruais são uma ótima alternativa aos absorventes internos e externos, suas vantagens incluem o fato de durar até 10 anos, proporcionar mais higiene e conforto e confortável, além de ser mais barato e amigo do meio ambiente! Que tal testar um coletor menstrual em seu próximo ciclo?

Por Miriã Marconi

Coletor menstrual


A incontinência urinária afeta milhões de pessoas em todo mundo. Vários são os fatores causadores desse problema como, por exemplo, o estresse.

Estudos realizados revelaram que a prática de alguns exercícios chamados de Kegel podem ser muito eficientes no controle desse problema. Os exercícios quando bem feitos fazem com que os músculos que regulam o fluxo urinário sejam contraídos e relaxados fortalecendo aos músculos da pélvis o que pode ajudar a conter a constante perda de urina.

De acordo com o The New York Times, estudo realizado pela revista America ‘Gerontology’ que analisou metade das pacientes mulheres de uma clínica de repouso, foi observado que o grupo submetido ao tratamento com exercícios para a bexiga apresentou melhora significativa em relação ao grupo controle. A pesquisa concluiu que tal tipo de tratamento, que treina a bexiga para aumentar o intervalo entre as micções, resultou em muitos benefícios para o grupo de pacientes investigados.

Por Alberto Vicente e Janilza Santos


Os cânceres mais comuns que afetam as mulheres são os de útero, colo de útero, endométrio, ovários, trompas, vulva e mamas. A prevenção certamente é a cura para esse tipo de doença. Para isso a partir da primeira menstruação é preciso que a mulher consulte um ginecologista e que a visita anual a esse médico se torne um hábito.

A doença, dependendo de sua intensidade, pode crescer e se espalhar rapidamente pelo corpo se não for tratado a tempo. Por isso o diagnóstico precoce é a melhor prevenção. Muitas mulheres pensam que terão sintomas logo que começarem a desenvolver a doença e muito se enganam, pois, o câncer age silenciosamente e só apresenta sintomas na fase mais avançada.

A prevenção também pode ser feita com exercícios físicos, alimentação saudável, não possuir nenhum vício (tabagismo, álcool, drogas), uso de camisinhas para evitar infecções, evitar trocar muito de parceiros e fazer exames anualmente sempre com acompanhamento médico. Mulheres maiores de 40 anos devem visitar semestralmente um médico ginecologista.

Por Karin Földes


Uma pesquisa realizada pela revista científica The Lancet demonstrou que 50% dos homens envolvidos no estudo, residentes do Brasil, México e Estados Unidos apresentam o vírus do HPV (Papilomavírus Humano). Participaram do levantamento, 1.159 homens na faixa etária dos 18 aos 70 anos, soro negativo e sem histórico de câncer.   

A doença é transmitida através do contato sexual, e nas mulheres pode provocar câncer de útero, sendo a causa de 80% dos casos de câncer desse gênero nelas. Já no sexo masculino, a probabilidade de desenvolver um câncer é mais remota, mas não impossível, já que existem dados registrados de câncer anal e de pênis relacionados ao HPV.

Atualmente, não há vacina contra o papiloma vírus para os homens, mas existe para as mulheres (com idade entre 9 e 26 anos), porém encontra-se disponível apenas em clínicas particulares e custa em média mais de R$ 1.000.

A prevenção é a melhor arma contra a doença, através do uso de preservativo nas relações sexuais.

Por Andrea Gomes

Fonte: Agência Brasil


Não é somente da AIDS e de outras doenças sexualmente transmissíveis que as pessoas podem se prevenir com o uso de camisinha. O HPV, papiloma vírus humano, é um elemento a ser combatido também. São mais de 200 tipos diferentes de vírus que podem causar lesões na pele ou mucosas de homens e mulheres, sendo que alguns deles apresentam chances de provocar lesões pré-cancerosas.

O câncer do colo do útero pode ser desencadeado por algum dos tipos de HPV. Este é o segundo tipo de câncer com maior incidência nas mulheres, só perde para o de mama e é também uma das maiores causas de morte para o sexo feminino no país.

O Ministério da Saúde faz campanhas preventivas a mais de 15 anos e incentiva a mulher a fazer seus exames com frequência, pois com diagnósticos precoces é mais fácil de tratar o mal.

Atualmente, já existem vacinas preventivas contra os tipos de vírus responsáveis por 70% dos casos de câncer do colo do útero; elas protegem por mais de três anos pelo menos 94% das mulheres.

Informações podem ser obtidas pelo portal do Instituto Nacional do Câncer.

Por Danielle Vieira


A revista americana Menopause, especializada no assunto menopausa, apresentou a publicação de uma pesquisa realizada por médicos do Northwestern Memorial Hospital de Chicago (EUA).

De acordo com a pesquisa, os sintomas que incomodam tanto as mulheres na menopausa, como o calor intenso, são bons sinais, pois pode ser indício de menor risco de problemas como derrames e ataques cardíacos.

O estudo, que durou 10 anos, foi conduzido pela médica endocrinologista Emily Szmuilowicz e envolveu 60 mil mulheres que eram participantes de um programa de saúde da mulher, que tinha como objetivo relacionar sintomas da menopausa com problemas cardiovasculares.

Segundo a Drª. Emily, a pesquisa ajudou a descobrir que mulheres com sintomas de climatério (transição da fase em que a mulher é fértil para a fase que deixa de ser) apresentavam menos incidentes relacionados ao coração do que aquelas que manifestavam as oscilações de calor tardiamente na menopausa, ou em relação às que o calor intenso era ausente. 

Por Andrea Gomes

Fonte: BBC


Uma preocupação para as mulheres que fazem uso de anticoncepcionais é a dúvida se eles realmente causam ou não o aumento de peso. Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos revelou que estas pílulas não estão relacionadas com o peso das mulheres que fazem o uso do medicamento.

O estudo envolveu macacos-rhesus, cujo sistema reprodutivo é bem semelhante ao do ser humano e pesquisadores passaram um ano acompanhando os animais. Quando o estudo teve início, as macacas eram obesas e receberam por oito meses anticoncepcionais tomados por via oral, e em uma dosagem que imitasse a que as mulheres tomam. Resultado: os animais de peso normal mantiveram-se com níveis estáveis de gordura e os obesos perderam peso e gordura corporal, cerca de 12%.

Durante a pesquisa, o peso, a alimentação, a gordura do corpo, a massa muscular e os níveis de atividades físicas dos animais foram monitorados. A pesquisa teve seus resultados publicados na revista Human Reproduction.

Por Andrea Gomes

Fonte: Estadão


Prevenir é melhor do que remediar. Desde que me conheço por gente escuto esta frase. Atualmente esta não é nossa realidade, na prática o problema é bem mais complexo.

Inúmeras campanhas sobre a saúde da mulher e suas prevenções estampam cartazes e se espalham através dos meios de comunicação; infelizmente o programa de saúde não funciona como deveria.

Em alguns municípios do Rio de Janeiro, por exemplo, o programa de prevenção deixa muito a desejar. A partir do momento que tentamos marcar uma consulta, começa um processo de espera muito longo, entre a primeira consulta e a revisão para leitura do exame, acredite, pode chegar até oito meses de espera. Então, nem preciso dizer quanto tempo espero para fazer uma mamografia, que pode diagnosticar o câncer de mama, que se descoberto no inicio pode representar uma esperança de vida para uma mulher.

Por Aline Medeiros da Silva


Cistite é o nome que se dá a inflamação da bexiga. O seu sintoma é a vontade de urinar a toda hora, em mínima quantidade e, principalmente, com uma ardência intensa.

O orifício do canal da urina na mulher é bem próximo ao canal vaginal, que naturalmente possui bactérias. Elas vivem num ambiente meio de "camaradagem" com o organismo feminino. Quando se multiplicam demais, as defesas são acionadas e automaticamente diminuem o seu número. Mas essas bactérias, em algumas condições, devido a proximidade, podem subir pelo canal da urina e chegar até a bexiga com certa facilidade, pois este canal, bem pequeno na mulher, mede aproximadamente três centímetros. Não há necessidade de fazer lavagens do canal vaginal para retirar as bactérias. Elas até são necessárias neste ambiente, basta ter alguns cuidados. Um deles é não abafar muito a vagina. Ela precisa transpirar.

Outro aspecto que provoca contaminação, é quando a mulher se seca com papel higiênico após urinar. Pelas condições químicas de alguns papéis e pelo atrito no local é comum haver irritação deste orifício, que é extremamente sensível, determinando maior chance de contaminação da bexiga.

Algumas dicas do Dr Tércio Ribas para evitar a cistite:

  • Ter uma relação sexual bem lubrificada e sem agressividades;
  • Urinar após as relações;
  • Lavar-se, ao invés de se secar com papel higiênico, após urinar;
  • Lavar-se, após as evacuações, evitando o papel higiênico;
  • Beber, no mínimo, dois litros de líquido por dia;
  • Não prender a urina quando der vontade de urinar.

Por Aline Medeiros da Silva





CONTINUE NAVEGANDO: