Transpirar muito durante prática de exercício físico é natural, é o corpo liberando líquido devido ao esforço. Mas em outras situações como no trabalho com ar condicionado, em lugares ventilados ou ao ar livre merece um maior cuidado, pois pode ser uma doença chamada ‘hiperidrose’, popularmente conhecida como ‘distonia’.

Os sintomas são fáceis de ser identificados: transpiração constante geralmente na área do rosto, axilas, mãos e pés.

Os dados da Sociedade Internacional de Hiperidrose informam que este tipo de doença é comum em mais de 176 milhões de pessoas no mundo sendo encontrata tanto em homens como em mulheres de todas as idades, mas comumente identificadas no período de adolescência.

Se caso identifique os sintomas acima citados em você, o ideal é procurar um médico dermatologista, pois este é o profissional que trata de doenças relacionadas à pele.

O tratamento na maioria das vezes é simples: com talcos, sabonetes e outros artigos específicos para que se evite também a proliferação de fungos e bactérias na área.

Por Lidianne Andrade


A sensação de transpiração quando estamos com um calor excessivo, incomoda bastante. Ninguém gosta de sentir aquela suadeira. Mas algumas pessoas, independente de sentirem calor ou não, transpiram a toda hora.

E às vezes, a quantidade é tão grande que chega a pingar. Isso acontece quando há uma disfunção no funcionamento das glândulas sudoríparas. É a chamada: hiperidrose.

Um problema que chega a atingir 1% da população em todo mundo. Na maioria das pessoas, a doença se manifesta na região dos pés e das mãos.

“Essas são as regiões mais comumente afetadas, porém a hiperidrose também pode atingir as axilas e a região crânio-facial”, afirma o cirurgião do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, o Dr. José Ribas Milanez de Campos.

Algo bastante desagradável é que essa disfunção é um problema crônico, ou seja, não desaparece ou diminui com o tempo. Mas existem alguns tratamentos como psicoterapia, antiperspirantes, talco de amido de milho, drogas antidepressivas, e dependendo da gravidade, injeções de toxina botulínica.

Porém, antes de iniciar qualquer procedimento, deve-se procurar um especialista e fazer uma avaliação detalhada.   

 Por Thais Cortez





CONTINUE NAVEGANDO: