Ao contrário do que muita gente pensa, a diabete não vem a ser necessariamente uma doença genética. Ou seja, se alguém tem casos de diabetes na sua família, não quer dizer que essa pessoa desenvolverá mais tarde a doença. Isso será somente um fator de risco.

O que podem contribuir decisivamente para o desenvolvimento da diabete é: O consumo de alimentos ricos em carboidratos e gorduras e a falta de exercício físico.

Nas pessoas que são alvo do problema, a produção de insulina no organismo é insuficiente ou as células do corpo não respondem de forma adequada à insulina.

Existem dois tipos diferentes de diabete: a do tipo 1 e a do tipo 2.

Segundo especialistas, algumas dicas para prevenir a doença são: prefira alimentos ricos em fibras, evite o consumo de fast food e prefira alimentos saudáveis, faça um lanchinho entre as refeições principais, consuma bastante leite e derivados, prefira as carnes magras e fique longe das frituras.

Procure sempre comer buscando o equilíbrio, pois as calorias em excesso não são nada saudáveis para a saúde.

Por Thais Cortez


O Governo brasileiro anunciou a distribuição gratuita de dez remédios contra diabetes e hipertensão nas drogarias que possuem convênio com a rede Aqui Tem Farmácia Popular.

Os remédios que serão distribuídos tem como princípio ativo: Captopril 25mg, Cloridrato de metformina 500 e 850mg, Maleato de Enalapril 10 mg, Cloridrato de propanolol 40mg, Atenolol 25mg, Losartana potássica 50 mg, Glibenclamida 5 mg e Insulina Humana.

Os estabelecimentos ligados ao programa têm até o dia 14 para oferecer os medicamentos. Para adquiri-los basta ir até um dos postos tendo em mãos CPF, um documento com foto e uma receita médica.

Os endereços das drogarias conveniadas a rede Aqui Tem Farmácia Popular podem ser encontrados no site http://portal.saude.gov.br .

Por Iracema Iris Gonçalves


Existem vários tipos de diabetes, sendo os mais populares o diabetes tipo I, o de tipo II e o gestacional, porém existem outros tipos, detectados com menos frequência. Conheça os tipos de diabetes.

A diabetes tipo 1 se caracteriza pela falta ou diminuição de produção de insulina, o que acarreta a obstrução da glicose nas células. A glicose que não é queimada pela insulina, uma vez que ela não está presente, causa o diabetes tipo 1.

Na diabetes tipo 2, a insulina é produzida em excesso, levando glicose em exagero às células, que, por sua vez, se esforçam para metabolizá-la e falham em seu trabalho, comprometendo todo o organismo.

A diabete gestacional nada mais é do que a detecção ou o aparecimento do diabetes durante a gravidez. 

Outros tipos também acometem aqueles que têm produção de insulina desregulada, como é o caso das Diabetes Secundárias ao Aumento de Função das Glândulas Endócrinas, que aparece devido à aceleração das glândulas endócrinas, que acabam produzindo insulina em excesso. Este tipo de diabetes é muito comum em quem tem hipertireoidismo, doença de Cushing ou gigantismo. 

A Diabete Secundária relacionada a Doenças Pancreáticas acontece em pessoas com antecedentes familiares que tenham sofrido de diabetes tipo 2. Também pode surgir quando há extração de parte do pâncreas, inflamação causada por excesso de álcool ou depósito exagerado de ferro no pâncreas.

Os tipos de diabetes não param por aí. Existem alguns outros tipo que são mais raros por estarem sempre associados a alguma doença em específico.

Por Lisa


Quando há alterações nos níveis de glicose em nosso corpo, significa que há deficiência de insulina e, provavelmente diabetes. Conheça os sintomas da diabetes tipo 2 e fique atento.

A grande maioria dos portadores de diabetes tipo 2 possui familiares com a doença que, além de hereditária, pode ser causada por obesidade e sedentarismo.

Enquanto o diabetes do tipo 1 é caracterizado pela baixa ou ausência de insulina, o diabetes tipo 2 ocorre quando há excesso dela, de forma que as células não conseguem absorvê-la em sua totalidade e acabam não não metabolizando a glicose de forma adequada. Neste caso trata-se de "resistência Insulínica" e o tratamento consiste em dieta e exercício físico, sendo necessário, em alguns casos a utilização de medicamentos orais e insulina.

É importante que se conheça os sintomas do diabetes tipo 2, como infecções freqüentes, alteração na visão ou visão embaçada, além de grande dificuldade de cicatrização de feridas, constante formigamento nos pés e furunculose.

Na presença de alguns desses sintomas de forma persistente, consulte um médico e faça todos os exames solicitados por ele. O diabetes, seja ele do tipo 1 ou tipo 2, quando tratado de forma adequada, permite que o portador leve uma vida normal.

Por Lisa


Quando alguma coisa vai mal em nosso organismo, todo ele sofre, uma vez que seu funcionamento é como o de uma engrenagem. Para evitar doenças, conheça a diabetes Tipo 1 e seus sintomas.

A insulina transporta a glicose até as células. Estas, por sua vez, a queima para gerar energia. dessa forma, quem sofre de diabetes tipo 1, sofre de redução na produção de insulina, impedindo a queima da glicose, causando a elevação em seus índices, o que é muito prejudicial à saúde.

Sabendo os sintomas da diabetes tipo 1, como a vontade de urinar por muitas vezes, sentir fome freqüente, sede permanente, perda de peso sem motivo aparente, fraqueza, fadiga, nervosismo, mudanças de humor, náusea e vômito será mais fácil perceber a necessidade de procurar um médico para que este proceda com os exames necessários para diagnosticar ou eliminar a possibilidade de que o paciente esteja acometido pela doença.

O tratamento, quanto antes for iniciado, mais rápido será seu efeito e controle da doença, gerando estabilidade no organismo.

Por Lisa


O DM1, diabetes tipo 1, é originado pela destruição das células produtoras de insulina, uma vez que, por distúrbio orgânico, elas são vistas como corpos estranhos. Conheça a Diabete Tipo 1.

O diabetes tipo 1 pode ser causado por vários fatores, que vão além da elevação da taxa de açúcar no sangue. Doenças como esclerose múltipla, Lupus e doenças da tireóide podem provocar DM1.

Sem insulina suficiente, a glicose não chega normalmente até as células, não havendo assim a correta queima e transformação dela em energia.

Faz-se necessário então a aplicação de injeções de insulina de forma diária, para que não haja déficit de insulina, que eleva as taxas de glicose, que, não sendo queimadas, podem afetar os olhos, rins, nervos ou coração.

Por Lisa





CONTINUE NAVEGANDO: