Tuberculose – O Que é, Sintomas, Tratamento



Confira aqui mais informações sobre a Tuberculose.

Muito temida no passado, a tuberculose é uma doença que continua a assombrar muitas pessoas. No entanto, na atualidade ela pode ser tratada com maior eficácia e rapidez, garantindo a recuperação daqueles que desenvolvem a patologia.

Saber quais são os sintomas, como se dá o contágio e como se tratar é fundamental para reconhecer o problema e neutralizá-lo o quanto antes. Tem dúvidas sobre essa doença? Confira, neste post, tudo o que você precisa entender sobre a tuberculose para garantir a sua saúde e de quem convive com você!



O que é tuberculose?

Cientificamente, a tuberculose é definida como uma doença contagiosa, que é desencadeada a partir da bactéria ‘’bacilo de Koch’’, cujo termo está relacionado à Robert Koch, responsável por descobrir o que causava o problema.

Ao entrar em contato com o organismo humano, a bactéria afeta o pulmão, mas também pode atingir outros órgãos, como os rins e até mesmo os ossos. Por isso, quando ataca os pulmões, a doença é chamada de tuberculose pulmonar, e quando impacta outros órgãos, chama-se tuberculose extrapulmonar.



Quais são os principais sintomas da tuberculose?

Como você viu, a tuberculose pode acontecer em diferentes partes do corpo, logo cada caso apresenta sintomas diferentes. Em se tratando da tuberculose pulmonar, que é mais frequente, o paciente tende a apresentar tosse persistente que pode ser seca ou com catarro. Também podem surgir suores noturnos, febre durante o dia, muito cansaço e emagrecimento repentino.

É importante ressaltar que em muitos casos, o paciente pode não ter os sintomas citados anteriormente, o que acaba dificultando a identificação da doença. As pessoas que têm um sistema imune mais frágil, como as que são HIV-positivas, idosas ou desnutridas, estão mais suscetíveis ao contágio da tuberculose.

Leia também:  Osteoporose - Causas, Cuidados e Sintomas

Com relação à tuberculose extrapulmonar, o indivíduo pode ter dispneia, febre, dor precordial, infecção no trato urinário e aumento significativo dos linfonodos.

Como acontece o contágio da tuberculose?

A tuberculose é uma doença transmissível. Geralmente, a sua transmissão acontece por meio da inalação de partículas que contém a bactéria. Tais partículas podem ser expelidas pelo paciente durante a fala, tosse ou espirro.

Segundo o Ministério da Saúde, roupas e copos não são uma fonte potente de transmissão da bactéria. Assim sendo, pode-se dizer que a patologia não é transmitida pelo uso de objetos compartilhados.

Ao se tratar regularmente, o doente diminui a capacidade de transmissão da tuberculose. Nesse sentido, depois de 15 dias tomando os medicamentos receitados, a taxa de transmissão cai drasticamente.

Como a tuberculose pode ser diagnosticada?

Do mesmo modo que acontece com outras doenças infecciosas, a tuberculose pode ser identificada a partir da realização de exames bacteriológicos, que têm o objetivo de reconhecer a bactéria causadora da doença.

Além disso, também podem ser feitos exames de imagem, como é o caso da radiografia do tórax. Com isso, pode-se checar o estado dos pulmões do paciente, verificando o quanto eles foram prejudicados pela bactéria.

Como tratar é o tratamento?

O tratamento da tuberculose é feito com a prescrição de antibióticos. Nos casos mais leves, em que o paciente não sofre maiores complicações, os remédios são tomados por um prazo de seis meses. Contudo, é imprescindível que o paciente seja acompanhado pelo médico desde o começo até a cura da enfermidade.

Muitas vezes, por se sentirem melhor em poucas semanas, os pacientes com tuberculose abandonam o tratamento. Essa atitude pode fazer com que a doença evolua e gere complicações graves, resultando na tuberculose drogarresistente, ou seja, que não responde ao tratamento com remédios.

Leia também:  Psoríase - Causas, Sintomas e Tratamento

Para se prevenir contra a tuberculose, é preciso tomar a vacina BCG, que é aplicada quando a criança nasce ou até os 4 anos de idade. Ainda é indicado não manter contato permanente com os pacientes diagnosticados com a doença.

Simone de Paula Leal

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *