Ovário Policístico x Cisto no Ovário – O Que é, Diferenças, Tratamento



Saiba aqui o que são e quais as diferenças do Ovário Policístico e Cisto no Ovário.

Embora sejam termos muito semelhantes, eles definem condições diferentes. A confusão ocorre porque, na verdade, a presença de cistos no ovário é normal. Eles surgem e se rompem em todo ciclo menstrual, e assim liberam o óvulo.

Os problemas surgem quando estes cistos aparecem em maior quantidade ou maiores do que o normal. Então a mulher pode sofrer com a conhecida Síndrome do Ovário Policístico (SOP) ou com a presença de cistos maiores que podem até ocasionar um câncer de ovário.



Vejamos a seguir a diferença entre estes dois termos, como identificar cada caso e quais os cuidados e tratamentos necessários em cada caso. Confira:

Síndrome do Ovário Policístico

A Síndrome do Ovário Policístico (SOP) é causada por distúrbios no sistema endócrino que alteram os níveis hormonais da mulher e acabam fazendo com que muitos micro cistos se formem nos ovário.



Estes inúmeros pequenos cistos acabam fazendo com que o órgão aumente de tamanho e cause alguns desconfortos à mulher. Ou seja, esta condição pode causar irregularidade na menstruação, devido à produção de testosterona (hormônio masculino).

Além de falta e ovulação (enovulação crônica), o excesso de pêlos e acnes no corpo e ainda o aumento de peso. E ainda pode tornar o organismo resistente à insulina (hormônio responsável por metabolizar a glicose no sangue), que pode gerar diabetes.

Na verdade, o que ocorre é a produção exagerada de estrogênio (hormônio feminino), que acaba sendo transformado em hormônio masculino (testosterona), o que em excesso é prejudicial à mulher.

Como tratar Síndrome do Ovário Policístico

Os principais sintomas são: o aumento de peso, aumento de pelos no corpo, principalmente no rosto, abdômen e seios, acne e infertilidade. Há casos mais extremos que pode apresentar queda de cabelos e sintomas de depressão.

Leia também:  Incontinência urinária - Exercícios de Kegel auxiliam no tratamento

Identificados os sintomas, o primeiro passo é consultar um ginecologista para comprovar a condição do ovário policístico. O uso de anticoncepcionais auxilia no controle da produção de hormônio masculino.

Profissionais ainda recomendam o cuidado com a alimentação, para controle da resistência à insulina e obesidade. Para jovens, recomenda-se evitar o uso de anticoncepcionais nos 3 primeiros anos de vida menstrual. E para mulheres adultas, o cuidado com a alimentação e exercícios físicos é essencial para a prevenção da SOP.

Cisto no Ovário

O cisto no ovário é quando se forma uma bolsa cheia de líquido dentro ou sobre o ovário. Eles podem ocorrer pela mutação dos cistos naturais que se formam durante o período menstrual ou ainda por alterações hormonais.

Vale lembrar que eles merecem uma atenção especial, pois podem ser o resultado de doenças mais graves como endometriose ou câncer de ovário.

Por isso, é bom ficar atenta aos seguintes sintomas:

  • Dores pélvicas intensas (especificamente na região dos ovários que fica do lado inferior esquerdo o direto do abdômen).
  • Abdômen muito inchado
  • Dor durante a relação sexual
  • Desconforto abdominal e sensação de constipação
  • Vontade de fazer xixi o tempo todo
  • Em casos de cistos malignos (câncer), há também a perda de peso

Como tratar cisto no ovário

O problema geralmente pode ser resolvido com um acompanhamento médico ou uso de anticoncepcionais para o equilíbrio hormonal. Em caso de cistos muito grandes (com mais de 6 cm) ou tumores malignos, recomenda-se a cirurgia para a remoção dos mesmos.

Para a prevenção, em alguns casos o uso de anticoncepcionais pode ajudar, bem como o cuidado com a alimentação e a prática de exercícios físicos.

Enfim, o que é altamente recomendado para toda mulher e fazer consultas regulares com ginecologista para cuidar da saúde dos ovários e do útero, afinal o câncer de ovário atinge cerca de 5 mulheres em cada 100 mil. E o câncer de colo do útero, segundo o Instituto Oncoguia, corresponde a 15,43 casos a cada 100 mil mulheres.

Leia também:  Cistite - O que é, Sintomas e Prevenção

Raquel Cordeiro

Próximo Post

Não há mais posts

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *