Herpes em Bebês – Dicas e Cuidados





Saiba aqui quais são os cuidados que a mamãe deve ter com seu filho.

Só quem tem um bebê em casa sabe como os primeiros dias do recém-nascido são preocupantes, pois é necessário tomar uma série de cuidados quanto à saúde do pequeno. Uma das maiores preocupações diz respeito à herpes, principalmente por conta do hábito que algumas famílias têm de beijar a criança nas mãos ou não boca, o que pode transmitir esta doença.

Basicamente, a herpes é uma doença do tipo infecciosa, que é transmitida por vírus bastante comum na população, já que é passado com facilidade. Ela pode aparecer em qualquer área do corpo, mas geralmente se manifesta nos genitais ou nos lábios, trazendo incômodo e constrangimento.




Quer proteger o seu bebê? Saiba quais são os riscos e como evitar o contagio da herpes em crianças!

Quais são os sintomas?

O sintoma mais recorrente da herpes é o aparecimento de uma ou mais bilhas em cima da pele ou mucosa, que ao longo do tempo se rompem, dando origem a crostas e por fim cicatrizam.


Os bebês infectados podem apresentar lesões nas bochechas, na língua, palato, lábios e gengiva, que também pode inflamar. A criança ainda tem dificuldade para engolir, passa a comer menos, babar com frequência e pode ter febre de até 40ºC, que acontece em média cinco dias antes das lesões e ficam irritadas.

Como ocorre a transmissão?

Praticamente todos os tipos de herpes vírus são passados da mesma maneira, ou seja, pelo contato direto entre a mucosa e os fluídos de uma pessoa que está contaminada, em especial da saliva.

Mesmo que a pessoa não apresente os sintomas ou tenha lesões quase imperceptíveis, ainda assim o vírus pode ser transmitido. Por isso, a doença é tão frequente na população mundial.

Quais são os riscos para os bebês recém-nascidos?

A herpes nos bebês recém-nascidos pode se desenvolver quando os mesmos entram em contato com o HSV (vírus da doença) no trato genital no momento do parto. Nesta condição, o médico deve analisar o canal do parto quando a mulher estiver prestes a parir, se ela apresentar lesões ativas, o mais apropriado é fazer a cesárea.

No entanto, é importante dizer que este risco de contaminação é raro. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o problema acontece em 10 bebês a cada cem mil nascimentos em todo o planeta.

O risco maior se dá quando a gestante é infectada pela primeira vez no fim da gravidez. Porém, se a infecção ocorrer antes de a mulher engravidar, o risco de transmitir a doença ao bebê durante o parte é muito baixo.

Como evitar a contaminação dos bebês?

Em se tratando dos bebês recém-nascidos, os pais devem evitar passear com o filho em locais com muitas pessoas, haja vista que o pequeno ainda está fortalecendo a sua imunidade e está bastante suscetível a pegar vírus, incluindo o da herpes. Recomenda-se sair de casa com o bebê somente depois de 60 dias do seu nascimento, e quando as primeiras vacinas estão em dia.

Além disso, os pais e os familiares não devem beijar as mãos ou boca da criança. Essa atitude é completamente errada, pois pode abrir espaço para o contágio não só da herpes, mas também da acne neonatal e impetigo.

Sempre que for pegar o seu filho, lembre-se de higienizar bem as suas mãos com álcool em gel e peça para que as suas visitas façam o mesmo.

Além desses cuidados, é muito importante higienizar as mãos antes de encostar no bebê. Por meio delas é possível transmitir diversas doenças. Embora isso pareça uma exigência desagradável, saiba que é para o bem do bebê.

Ao perceber os sintomas, procure imediatamente o pediatra para tratamento da criança corretamente o quanto antes.

Simone de Paula Leal



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *