Vitamina D – Benefícios e Qual a Dose Certa




Saiba aqui os benefícios e a dose certa de Vitamina D para o seu organismo.

Cuidar da saúde está entre as pautas mais importantes da vida. O corpo precisa de cuidados na medida correta. Neste artigo será abordado o tema de vitaminas, especificamente, a Vitamina D.

O corpo humano necessita de vitaminas e minerais, porém, nem sempre o organismo chega a reter o suficiente de vitamina D, ainda que as pessoas passem tempo suficiente sob a luz do sol. Alguns especialistas indicam que existem muitas deficiências desse hormônio, o que determina que muitas pessoas sintam necessidade investir em propostas de cardápios que abranjam os necessários suplementos alimentares, embora sem saber exatamente como ingerir a dose ideal diária, que possa fazer bem ao organismo, sem excessos.


Observação importante: médicos e especialistas explicam que a carência de Vitamina D pode gerar raquitismo em crianças e osteoporose em adultos, e, o mais urgente, seu excesso pode causar câncer de pele.

Entretanto, o que é a vitamina D?

Um especialista em endocrinologia, membro da All Clinik, expressa de forma bastante clara que, embora conhecida popularmente como uma vitamina, em realidade, se trata de um tipo de pré-hormônio. Esta substância ativa age em conjunto aos demais hormônios, com importante função reguladora sobre o cálcio e sobre o metabolismo ósseo.

Esta vitamina ou hormônio consiste em um verdadeiro precursor de um tipo de hormônio esteroide, que acaba afetando a própria estrutura esquelética; como também a pressão sanguínea; a imunidade; o humor; as funções cerebrais e age, também, com grande capacidade de proteger o organismo do câncer. Deste modo, tudo deve estar funcionando regularmente no corpo humano.


O organismo faz produzir a vitamina D a partir, e por meio, de um processo de conversão da luz solar, que incide sobre a superfície da pele, em substâncias químicas. Assim que os chamados raios solares tipo UV-B atingem a superfície da derme, uma substância específica, conhecida como 7-desidrocolesterol, um tipo de colesterol localizado na pele, a energia solar converte essa mesma substância em um fator biologicamente ativo e utilizável chamado Calcitriol, sendo que, antes desse processo, essa conversão segue pelos rins e pelo fígado.

Entretanto, agora entra a advertência:

De acordo com especialistas em dermatologia, há uma dose correta para esse processo. Uma dosagem que seja abaixo de 20 ng /mL será sempre reconhecida como insuficiente para o organismo, sendo necessário, conforme o conselho médico, o consumo de até 1000 UI ao dia, ou seja, de 25 a 100 microgramas.

Mas com relação aos grupos que estejam dentro dos fatores de risco, tais como as pessoas idosas; as gestantes e as pessoas afetadas por doenças clínicas bem específicas, que abrangem o raquitismo; a osteoporose; as doenças inflamatórias; as doenças autoimunes; complicação renal crônica e as síndromes que resultam em má absorção, a dose ideal é de 30 e 60 ng/mL.

Deste modo, nada de consumir este tipo de substância acima de uma dose de 100 ng/mL, havendo risco, nestes casos, de toxicidade e hipercalcemia. Toda desordem metabólica causada pelo excesso dessa vitamina pode causar câncer.

Conforme a tonalidade da pele será necessário regular a exposição ao sol, de modo a poder sintetizar a vitamina D de forma saudável. Cada tom de pele exige um tempo ideal. Peles mais claras exigem um tempo de 5 a 30 minutos, duas vezes por semana, apenas. Peles morenas e negras geralmente necessitam de um período maior de exposição ao sol. A pele negra, particularmente, tem maior dificuldade de ativação desta vitamina D.

Todo cuidado é pouco. Toda recomendação médica é importante. Todas as pessoas precisam estar atentas.

Paulo Henrique dos Santos



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *