Conheça aqui um pouco mais sobre o TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo).

O que é TOC?

Geralmente, ouvimos falar do Transtorno Obsessivo Compulsivo, o famoso TOC, quando associado a manias. Lavar as mãos constantemente, não conseguir manter a decoração desorganizada, entre outras coisas, são comumente atribuídas como sinais do transtorno. O ponto é que o diagnóstico do TOC vai muito além de uma simples mania. Existem vários casos realmente preocupantes, quadros caracterizados pelo transtorno: lavar as mãos até que elas se esfolem, cortar partes do corpo para equilibrá-lo ou não poder evitar reescrever todos os cadernos da época da escola, mesmo que isso signifique viver os dias em função disso.

Esses e outros muitos casos são diagnosticados como TOC. O que caracteriza o transtorno obsessivo compulsivo é justamente o fato de que das pessoas portadoras do transtorno sentirem-se obrigadas a realizarem compulsões, sejam atos mentais ou físicos. A satisfação dessas compulsões costumam aliviar o incômodo e a ansiedade causada pelos pensamentos desagradáveis que repetem-se sem cessar nas mentes dos portadores.

O que acontece na mente de quem possui esse transtorno é que o pensamento ruim vem, gerando um incômodo e fazendo com que o portador sinta a absoluta necessidade de realizar algum comportamento – eis aí a compulsão – para livrar-se dele. Isso torna-se um ritual, onde o portador não tem mais controle sobre as repetições.

Estima-se que 2% da população mundial seja portadora de TOC, sendo que a idade de pico se dá entre jovens adultos, com idades entre 18 e 20 anos, e também em crianças no período escolar. Um dos principais pontos para o tratamento é que a informação acerca da gravidade dessa situação seja veiculada. Pense numa criança que vive essa situação e não tem a consciência de que o seu próprio cérebro está escravizando-a. Saber que o comportamento caracteriza um transtorno é o primeiro passo para poder tratá-lo.

Ao observar um ritual mental para uma coisa x ou y, que se repete a fim de aliviar um pensamento intrusivo, é importante analisar com mais afinco a gravidade do caso. O conteúdo das obsessões pode ser muito variado, a consulta com um psiquiatra é imprescindível. Para ler mais sobre o assunto, clique neste link: https://goo.gl/C2LaFb.

Carolina B.


Saiba aqui todas as informações sobre a Síndrome de Down.

A trissomia 21, mais conhecida como Síndrome de Down, é uma condição cromossômica gerada por um cromossomo a mais no par 21, no momento da concepção.

As crianças e jovens que portam esta síndrome têm características físicas parecidas e estão propensos a algumas doenças. Ainda que evidenciem deficiências intelectuais e de aprendizado, são indivíduos com personalidade exclusiva, que criam boa comunicação e também são sensíveis e notáveis.

Os seres humanos detêm em suas células 46 cromossomos, que estão em 23 pares. Pessoas portadoras da síndrome de Down possuem 47 cromossomos, pois possuem três cópias do cromossomo 21, em vez de duas. Isso acontece na hora que a criança está sendo gerada. O que esta cópia extra de cromossomo causará no organismo vai variar segundo a extensão dessa cópia, da genética familiar do indivíduo, além de condições ambientais e outras possibilidades.

Causas

A Síndrome de Down é uma irregularidade genética que acontece na hora da concepção em 95% dos casos. Com o adiamento da idade materna, há uma maior possibilidade de gerar um bebê com variações cromossômicas como a Síndrome de Down, especialmente com idade superior aos 35 anos. Isso ocorre devido os folículos que concederão origem aos óvulos da mulher já nascerem com elas e células envelhecidas possuem maiores chances de disporem de erros no instante de seu processo de divisão, podendo causar, assim, a existência de um cromossomo a mais ou a menos nos óvulos.

Sintomas

Problemas de aprendizado e saúde podem acontecer, mas divergem de criança para criança. Todo portador da síndrome de Down é inigualável, os sinais e sintomas são capazes de ser de moderados a severos.

Portadores da Síndrome de Down possuem elevado risco de padecer com alguns problemas de saúde, como problemas respiratórios, otites recorrentes, problemas cardíacos congênitos, apneia do sono, refluxo esofágico e disfunções da tireoide, por serem predispostos ao sobrepeso.

A deficiência intelectual, dificuldades de adquirir conhecimento, geralmente é existente em graus distintos de criança para criança.

Tratamento

Vários pontos contribuem para um desenvolvimento adequado da criança portadora da síndrome, o que muitas vezes abrange a interferência de diversos profissionais. Desde seu nascimento o médico estará alerta aos problemas fisiológicos, principalmente os de classe cardiológica e respiratória. Algumas vezes é preciso a intercessão de um cirurgião cardíaco para corrigir problemas congênitos. Problemas na tireoide devem ser sempre monitorados e medicados quando necessário. Com relação ao fato de exibirem diminuição do tônus dos órgãos implicados com a fala, será preciso a intervenção de um profissional de fonoaudiologia para assegurar a qualidade na comunicação da criança.

Cariotipo

Pessoas com a Síndrome de Down possuem deficiências intelectuais e alguns atributos físicos específicos. Possuem olhos amendoados, devido às dobras nas pálpebras e geralmente são menores em tamanho. Os membros são mais pequenos, o tônus muscular é mais débil e a língua é protrusa, mais grande que o devido. As mãos tem uma única prega na palma, ao invés de duas.

Lucineia Fatima de Campos


Saiba tudo sobre temida síndrome do pânico.

Quase todas pessoas conhecem alguém que sofre da tão conhecida síndrome do pânico, que é um tipo de transtorno em que a pessoa sente um medo muito intenso e cria-se uma sensação de que algo ruim pode acontecer a qualquer momento.

A pessoa é tomada por uma crise inesperada de fobia extramamente forte, mesmo que não haja perigo nenhum a sua volta. O pior de tudo é que a pessoa que sofre de transtorno do pânico, pode ter o ataque de modo totalmente inesperado e várias vezes ao dia, dependendo do estágio da doença, o que pode dificultar os afazeres diários. O medo de ter um ataque a qualquer momento, priva a pessoa de ter uma vida social como os outros, além de causar transtornos aos seus familiares ou colegas de trabalho. O maior medo de quem sofre desse transtorno é ter um ataque cardíaco, perder o controle emocional ou até mesmo enlouquecer.

As causas desse transtorno ainda são desconhecidas, muito embora alguns médicos acreditem que é um conjunto de fatores que levam a pessoa a desenvolver a doença. Fatores genéticos, altos níveis de estresse, temperamento forte e reação a determinadas situações, podem ser as causas mais comuns da síndrome do pânico. Alguns estudos ainda estão em andamento sobre o verdadeiro motivo que leva a pessoa a ter uma crise de medo, mesmo que o ambiente em volta, não ofereça nenhum tipo de perigo.

A síndrome do pânico afeta mais mulheres do que homens no mundo todo e os sintomas em geral são: sensação estranha de algum perigo próximo, medo de que possa se descontrolar, dormência nas mãos e pés, suor excessivo, tremores, palpitações, calafrios, desconforto, náuseas, tonteira, depressão e sensação de que vai desmaiar a qualquer momento.

O tratamento é medicamentoso e o paciente não deve ter vergonha de contar tudo o que sente para o seu médico para que seja indicado o melhor remédio para a diminuição dos sintomas, o que fará que o paciente se sinta bem melhor e poderá, aos poucos, ter uma vida normal com seus familiares e amigos. Antes do diagnóstico, o médico ainda poderá pedir alguns exames para ter certeza de que o paciente sofre de síndrome do pânico.

Rodrigo Souza de Jesus


Veja aqui tudo o que você precisa saber sobre a doença do Refluxo Gastroesofágico.

A doença do refluxo gastroesofágico (azia crônica ou mais conhecida como refluxo) é uma enfermidade digestiva, nos quais os ácidos envolventes na parede estomacal retornam ao esôfago, abortando assim o caminho natural da digestão.

Quais são as causas da Doença do Refluxo Gastroesofágico?

Essa anormalidade acontece porque as fibras musculares responsáveis pelo impedimento do alimento voltar pra trás, para o esôfago, não fecha bem. Nesses casos, até mesmo o suco gástrico contido no estômago pode voltar para o esôfago. Alguns sintomas são a irritação causada na parede do esôfago.

Existem também fatores de risco que complicam e até mesmo ocasionam a doença tais como:

  • Esclerodermia;
  • Diabetes;
  • Tabagismo;
  • Alimentação (excessos em chocolate, bebidas alcoólicas, pimenta e frituras corroboram para o refluxo);
  • Esvaziamento tardio do estômago;
  • Obesidade;
  • Gravidez;
  • Ressecamento bucal;
  • Síndrome de Zollinger-Ellison (estômago produz mais ácido, além da normalidade).

Quais são os principais sintomas do refluxo gastroesofágico?

Os principais sintomas do refluxo gastroesofágico são os seguintes:

  • Náuseas após as refeições;
  • Tosse seca ou rouquidão;
  • Inchaço na região da garganta;
  • Dificuldade para ingerir alimento (seguido de sensação de que o alimento fica na garganta);
  • Dor no peito;
  • Azia crônica;
  • Regurgitação de suco gástrico;
  • Sensação da doença quando come ou quando fica deitado.

Qual o tratamento adequado para quem sofre de refluxo gastroesofágico?

Se você sentir alguns desses sinais, o seu primeiro passo deve ser procurar o médico clínico para um diagnóstico mais preciso, pois é este que tem experiência para dar esclarecimentos sobre a doença e o que fazer para resolver a enfermidade.

É preciso que o médico possa receber o maior número de informações sobre os sintomas que você tem. Deverá tirar todas as dúvidas sobre os seguintes pontos:

  • Haverá restrição em sua dieta normal?
  • Haverá cura para a doença?
  • É preciso fazer cirurgia para se livrar do refluxo?

Você deverá esclarecer ao médico também detalhes específicos sobre seus sintomas:

  • Eles são piores durante a noite?
  • Sente que as refeições ficam pesadas no estômago ou tendem a voltar pelo esôfago?
  • Qual a intensidade dos sintomas?

O tratamento deve ser feito através de antiácidos e outras drogas, que aliviam o refluxo. Outros medicamento diminuirá a produção do suco gástrico e ainda outros auxiliam na cicatrização do esôfago. Em alguns casos, haverá procedimentos cirúrgicos para acabar com o refluxo.

A prevenção do refluxo gastroesofágico é muito importante, tendo em vista que uma boa alimentação e a diminuição no nível de estresse dará uma vida mais significativa e livre dessa doença.

Cristiane Magalhaes


Como forma de conscientizar seus usuários para os riscos da Dengue, que em Pernambuco já fez uma vítima fatal, a Santa Clara Planos de Saúde, uma empresa do Sistema Hapvida, promoveu na manhã do dia 25 de março, uma campanha de prevenção.

A ação, que contou com um arte-educador caracterizado do mosquito Aedes Aegypti e distribuição de panfletos com dicas de como se proteger e identificar a doença, foi realizada nas unidades da Santa Clara instaladas no Paissandu – Central de Atendimento, Centro de Fisioterapia, Beira Rio I, Beira Rio II, Hospital Capibaribe e Central de Laboratório.

Coordenada pelo departamento de Marketing da Santa Clara, a campanha tem como estratégia, alertar a população sobre os riscos da Dengue, que vem se alastrando por todo o país, em especial no Nordeste onde, inclusive, já foram detectados casos de pessoas com o vírus 4.

No material educativo, a operadora destacou os principais sintomas da doença, como febre alta e persistente; dor de cabeça; dor atrás dos olhos; perda do apetite; vômitos e tonturas; dores musculares e nas juntas; além de moleza e manchas vermelhas pelo corpo.

O panfleto apresentou, ainda, as estratégias que as pessoas devem adotar no dia a dia para evitar a multiplicação do mosquito Aedes Aegypti, tais como:

–  Encher de areia, até a borda, os vasos de plantas;

–  Lavar, semanalmente, com escova e sabão, as áreas internas dos tanques utilizados para armazenar água;

–  Jogar fora objetos sem uso (latas, pneus etc.) que possam acumular água;

–  Manter a caixa d´água sempre fechada, com tampa adequada; e

–  Guardar garrafas sempre de cabeça para baixo.

Com essas dicas simples, a direção da Santa Clara pretende contribuir para o combate da proliferação da Dengue em Pernambuco. Vale destacar que as ações de medicina preventiva da operadora continuam ao longo do ano. Temas como hipertensão, diabetes, saúde bucal, entre outros males que persistem no Brasil de 2011, devem ser trabalhados.

Por Alexandre de Souza Acioli


Observar pequenas atitudes do próximo, ou de si próprio, pode contribuir para a detecção de um dos problemas até comum na terceira idade. Alzheimer é uma doença progressiva e degenerativa que alcança o cérebro. Sinais como dificuldades na memorização de informações recentes e palavras simples, além de empecilhos para o exercício de atividades sem dificuldades, podem indicar esse mal.

Boa parte da população não deve saber, mas indícios do Alzheimer podem ser confundidos com estresse ou fadiga. De acordo com Márcia Lorena Fagundes Chaves, neurologista e chefe do serviço de neurologia do Hospital das Clínicas de Porto Alegre, constatados sintomas como esquecimento, dificuldades motoras e modificações no padrão funcional, bem como dificuldades na fala, deve-se agendar consulta com um especialista para verificação.

A Doença de Alzheimer (D.A.) pode ser detectada através de exames físicos e em laboratórios, por meio de exames de imagem e também a partir de testes cognitivos. Inicialmente, a doença apresenta desenvolvimento lento e até hoje, infelizmente, não existe cura, mas sim tratamentos (por meio de medicamentos) que visam prolongar a evolução desse mal.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Assessoria de Imprensa


A febre amarela é uma doença transmitida através da picada da fêmea do mosquito que esteja infectado e mata mais de 30 mil pessoas todos os anos.

A Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz – está realizando estudos para desenvolver uma nova vacina contra a doença e conta com a parceria do Centro Fraunhofer para Biotecnologia Molecular e o iBio Inc, duas instituições de pesquisas americanas.

O objetivo é desenvolver uma vacina que cause menos reações ou efeitos colaterais, e o projeto utilizará uma planta chamada Nicotiana benthamiana para criar a vacina. Os testes com o novo imunizante devem começar daqui a três anos e terá o investimento de cerca de US$ 6 milhões por parte da Fiocruz.   

Por Andrea Gomes

Fonte: Agência Brasil


A americana Karen Byrne, 55 anos, possuía uma doença rara conhecida como Síndrome da Mão Alheia, que faz com que o corpo faça o contrário do que a pessoa quer, como, por exemplo, dar muros no próprio rosto ou tomar uma direção oposta da desejada.

Karen sofria de epilepsia e, aos 27 anos, resolveu realizar cirurgia a fim de controlar o problema. O procedimento cirúrgico para cura da epilepsia, em geral, precisa identificar a parte do cérebro de onde os sinais elétricos anormais surgem, e então cortar um pedaço dessa região afetada. Para a situação de Karen, essa solução não adiantou, então o médico que fez a sua cirurgia precisou cortar seu corpo caloso, responsável por manter os dois hemisférios do cérebro em contato permanente.

Isso curou a epilepsia, no entanto, Karen ficou com a mão esquerda descontrolada, e houve situações em que sua mão esquerda lhe dava tapas ao ponto dela ficar com o rosto inchado. A americana sofreu por 18 anos com a doença, até que os médicos que a tratavam descobriram um remédio para o seu caso.

Por Andrea Gomes

Fonte: BBC Brasil


Mais um milagre da ciência tornou possível que um paciente americano, de nome Mark Gregoire, tivesse o seu tumor maligno no pâncreas “curado”. A pesquisa envolveu pesquisadores espanhóis, do Centro Nacional de Pesquisas Oncológicas, em Madrid, e americanos da Universidade John Hopkins (EUA).

Os pesquisadores transplantaram em camundongos o tumor de Gregoire. Os médicos estudiosos justificaram que fizeram isso para realizar experimentos a fim de identificar a reação do tumor aos diversos remédios, sem expor o próprio paciente aos possíveis efeitos colaterais que poderiam ser provocados com o uso de tais medicamentos.

Em 2006, Gregoire foi advertido que teria poucas semanas de vida, e hoje ele aos 65 anos não demonstra sinais do tumor, porém os médicos aconselham que ainda é precoce para se afirmar a completa cura de Gregoire.   

Por Andrea Gomes

Fonte: BBC Brasil


O início do ano é marcado pelo calor, pelas chuvas fortes, e pelas inevitáveis enchentes que se tornam o tema principal dos noticiários nesta época do ano. São comuns imagens de crianças que costumam nadar nessas águas turvas, principalmente em locais mais humildes, os mais castigados pelas chuvas de verão. Pode parecer uma diversão inocente, mas é uma brincadeira perigosa, pois o contato com água suja pode causar leptospirose.

A leptospirose é uma doença causada por uma bactéria presente na urina do rato, que pode ser transmitida através do contato com a água ou lama de enchentes e esgotos. Os sintomas mais comuns da doença são febre, dor de cabeça e dores no corpo até 40 dias após o contato com estas águas.

Se surgirem esses sintomas, procure imediatamente o posto de saúde mais próximo e informe ao médico que teve contato com a água contaminada.

Por Selma Isis

Fonte: Portal Saúde


O médico norte-americano Daniel Kuhn escreveu o livro "Estágios iniciais da Doença de Alzheimer", para auxiliar familiares e amigos a conviverem bem com os portadores desta patologia.

De acordo com o autor, quando a doença é encarada como um fato da vida, e não como um problema, é possível seguir o cotidiano familiar sem maiores traumas.

Desta forma, a obra explica os sintomas provocados pelo Mal de Alzheimer, quais são as atitudes que se deve ter diante de um portador da doença, e coloca a importância da afetividade na convivência com o mesmo, além de dar conselhos sobre como se manter saudável e positivo diante da situação.

Por Elizabeth Preático





CONTINUE NAVEGANDO: