Problemas respiratórios são mais comuns do que se imagina. Com o progresso da sociedade global e o consequente aumento de veículos automotores nas ruas, novos ou velhos, além de desmatamentos em vários pontos do mundo devido às ações imprudentes do seres humanos e queimadas oriundas do tal aquecimento global, crianças, jovens e adultos enfrentam, em tempos secos, dificuldades até para caminhar sem sentir dificuldades.

Independente desta breve descrição, diretamente relacionada à boa saúde, ter ciência e distinguir uma doença de outra é vital para um correto tratamento, sobretudo quando asma e bronquite são postas em “votação”. Segundo Fatima Rodrigues Fernandes, pediatra e alergista do Hospital Infantil Sabará, enquanto a asma define-se por uma doença crônica, tratada preventiva e constantemente, a bronquite crônica, uma inflamação, decorre de substâncias que causam irritação, como fumaça e cigarro. Outro caso é a bronquite aguda, originada por bactérias ou vírus.

Fatima pondera que a asma é uma doença comum no período da infância, infelizmente chamando a atenção de pais e/ou responsáveis apenas nos momentos em que a crise vem à tona. A pediatra indica tratamento preventivo e permanente, do contrário sérias consequências aparecem, podendo até levar o indivíduo à morte.

A asma pode ser mais bem controlada através de inalação, numa mistura com anti-inflamatórios e broncoladilatores. Além disso, é necessário evitar o contato com bichos de pelúcia, poeira e outros mais.

As bronquites agudas, por sua vez, devem ser tratadas com medicamentos que visam apenas aliviar os principais sintomas caso a origem da doença tenha sido por bactérias. A crônica, diferentemente, pede somente mudanças de hábitos, entre os quais parar com o fumo.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Assessoria de Imprensa





CONTINUE NAVEGANDO: