Veja as principais dúvidas sobre a vacina da febre amarela e suas respostas.

O Brasil está em alerta sobre casos de febre amarela, essa atenção ficou voltada principalmente no ano de 2017 e agora em 2018 há uma grande procura da vacina nos postos do País. Já sabemos que existem casos de pessoas que morreram com a doença e alguns macacos também, pois estão infectados. É importante ressaltar que o animal não é o transmissor da doença, e sim o mosquito Aedes Aegypti. A febre amarela pode levar a morte em pouco tempo, então é preciso vacinar.

Polêmica sobre reação da vacina da febre amarela

Muitas pessoas ficam inseguras em relação a se vacinar, pois existem muitos boatos na internet sobre mortes após a vacinação. É claro que a maioria dessas afirmações são boatos que se espalham nas redes sociais e acabam ganhando forças e causando pânico. Vale ressaltar que existe uma sinalização para um grupo de pessoas que não podem se vacinar e essas e outras informações vão estar logo abaixo:

1- A vacina pode provocar reação? E quais seriam essas reações?

Sim. Todas as vacinas podem causar algum tipo de reação. E a vacina da febre amarela pode causar reações como: mal-estar, dor de cabeça e febre.

2- A vacina causa dor ou inchaço?

A maioria das pessoas que tomam a vacina não reclamam que ela é dolorida ao ser dada e nem de inchaço depois da aplicação. A agulha é relativamente menor que a maioria das vacinas. Porém, se a pessoa for sensível, ela pode sentir um pequeno desconforto, nada fora do normal.

3- Gestante pode tomar a vacina?

Não. A gestante faz parte do grupo de pessoas que não devem tomar a vacina da febre amarela.

4- Os bebês podem tomar a vacina da febre amarela?

Os bebês que tiverem idade a partir de nove meses podem ser vacinados contra a febre amarela. Porém, se essa criança morar em um local que tenha surto da doença e mortes de macaco com a febre amarela, a idade é a partir de 6 meses.

5- É verdade que quem tem baixa imunidade não pode se vacinar contra a febre amarela?

Sim. Quem tem imunidade baixa está no grupo de risco e de imediato não poderá tomar a vacina. O ideal é passar com o médico e fazer exames e ter uma avaliação mais completa, e caso ele permita, é preciso levar essa autorização no posto de saúde no dia em que for se vacinar.

6- Alguns medicamentos podem causar problemas para quem se vacina?

A princípio não existe nenhuma contraindicação em relação a medicações, exceto o uso de corticoide.

7- Como funciona a vacinação para quem acha que já se vacinou a anos atrás e não tem certeza?

Nesse tipo de caso a melhor solução é se vacinar novamente, pois muitas pessoas perdem a caderneta de vacinação em algum momento de sua vida e ficam sem saber se tomaram ou não a vacina. No caso da vacina da febre amarela é bom não bobear, pois a doença pode matar e já existem casos de morte no Brasil.

8- É preciso estar em jejum para tomar a vacina da febre amarela?

Não. Essa é uma dúvida muito comum entre as pessoas que estão indo ao posto em busca de informações sobre a vacina da febre amarela. Porém, não é preciso estar em jejum para se vacinar.

9- Qual a idade base das pessoas que podem se vacinar?

A idade base para vacina é de 9 meses a 59 anos. Crianças que já tomaram a vacina antes da campanha e do risco de epidemia não precisam tomar. É essencial levar a caderneta da criança para que o profissional de saúde verifique na hora se precisa ou não vacinar. Em caso de pessoas que já tenham 60 anos ou mais é indicado apenas se vacinar com o consentimento do médico.

10- Em caso de risco de já ter contraído a doença, como deve proceder?

Nesse caso não pode se vacinar e sim procurar um hospital o mais rápido possível para verificar que realmente a pessoa contraiu a doença.

Essas são as informações principais da vacina da febre amarela!

Cristiane Amaral


Veja aqui tudo o que você precisa saber sobre a doença do Refluxo Gastroesofágico.

A doença do refluxo gastroesofágico (azia crônica ou mais conhecida como refluxo) é uma enfermidade digestiva, nos quais os ácidos envolventes na parede estomacal retornam ao esôfago, abortando assim o caminho natural da digestão.

Quais são as causas da Doença do Refluxo Gastroesofágico?

Essa anormalidade acontece porque as fibras musculares responsáveis pelo impedimento do alimento voltar pra trás, para o esôfago, não fecha bem. Nesses casos, até mesmo o suco gástrico contido no estômago pode voltar para o esôfago. Alguns sintomas são a irritação causada na parede do esôfago.

Existem também fatores de risco que complicam e até mesmo ocasionam a doença tais como:

  • Esclerodermia;
  • Diabetes;
  • Tabagismo;
  • Alimentação (excessos em chocolate, bebidas alcoólicas, pimenta e frituras corroboram para o refluxo);
  • Esvaziamento tardio do estômago;
  • Obesidade;
  • Gravidez;
  • Ressecamento bucal;
  • Síndrome de Zollinger-Ellison (estômago produz mais ácido, além da normalidade).

Quais são os principais sintomas do refluxo gastroesofágico?

Os principais sintomas do refluxo gastroesofágico são os seguintes:

  • Náuseas após as refeições;
  • Tosse seca ou rouquidão;
  • Inchaço na região da garganta;
  • Dificuldade para ingerir alimento (seguido de sensação de que o alimento fica na garganta);
  • Dor no peito;
  • Azia crônica;
  • Regurgitação de suco gástrico;
  • Sensação da doença quando come ou quando fica deitado.

Qual o tratamento adequado para quem sofre de refluxo gastroesofágico?

Se você sentir alguns desses sinais, o seu primeiro passo deve ser procurar o médico clínico para um diagnóstico mais preciso, pois é este que tem experiência para dar esclarecimentos sobre a doença e o que fazer para resolver a enfermidade.

É preciso que o médico possa receber o maior número de informações sobre os sintomas que você tem. Deverá tirar todas as dúvidas sobre os seguintes pontos:

  • Haverá restrição em sua dieta normal?
  • Haverá cura para a doença?
  • É preciso fazer cirurgia para se livrar do refluxo?

Você deverá esclarecer ao médico também detalhes específicos sobre seus sintomas:

  • Eles são piores durante a noite?
  • Sente que as refeições ficam pesadas no estômago ou tendem a voltar pelo esôfago?
  • Qual a intensidade dos sintomas?

O tratamento deve ser feito através de antiácidos e outras drogas, que aliviam o refluxo. Outros medicamento diminuirá a produção do suco gástrico e ainda outros auxiliam na cicatrização do esôfago. Em alguns casos, haverá procedimentos cirúrgicos para acabar com o refluxo.

A prevenção do refluxo gastroesofágico é muito importante, tendo em vista que uma boa alimentação e a diminuição no nível de estresse dará uma vida mais significativa e livre dessa doença.

Cristiane Magalhaes





CONTINUE NAVEGANDO: